sábado, 18 de abril de 2009

A GRAÇA DE OFERTAR (Matéria autorizada pelo pr. Marcello de Oliveira)


A GRAÇA DE OFERTAR - II Coríntios 8

Introdução:

Um dos principais motivos da terceira viagem missionária de Paulo foi recolher uma “oferta especial” aos cristãos necessitados da Judéia. No governo do imperador romano Cláudio, houve um período de grande fome em todo o mundo, fato esse profetizado por Ágabo (At 11.27,28). Nesse tempo, os judeus que moravam em Roma foram expulsos (At 18.2), e uma pobreza assoladora atingiu os cristãos da Judéia.

Além da assistência material aos pobres, Paulo tinha outra bênção em mente. Desejava que essa oferta fortalecesse a unidade da Igreja pela partilha de recursos dos gentios com as congregações de judeus do outro lado do mar. Para o apóstolo, os gentios eram “devedores” dos judeus (Rm 15.25-28).

O apóstolo Paulo, ao ser enviado aos gentios, assumiu o compromisso de não se esquecer dos pobres, o que efetivamente esforçou-se por cumprir (Gl 2.9,10). Durante suas viagens missionárias nas províncias da Macedônia, Acaia e Ásia Menor, Paulo esforçou-se para levantar uma oferta especial destinada aos pobres da Judéia (I Co 16.1-4; II Co 8.1-24; II Co 9.1-15). Paulo não só levantou esta oferta entre as igrejas gentílicas, mas a entregou com fidelidade (At 24.16-18).

Como podemos descobrir se estamos “ofertando pela graça”? Paulo neste capítulo indica algumas evidências de que nossa contribuição é motivada pela graça. Vejamos:

1) Quando contribuímos apesar das circunstâncias (II Co 8.1,2)

“Também irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus concedida às igrejas da Macedônia” (8.1). O apóstolo ensinou à igreja que contribuir é um ato de graça. Ele usou nove palavras diferentes para referir-se a oferta, mas a que emprega com mais freqüência é graça. Neste texto, Paulo usa a palavra graça seis vezes em relação ao ato de contribuir (8.1,4,6,9,19; 9.14). A graça é um favor divino independentemente do merecimento humano. A contribuição, portanto, não é um favor que fazemos aos necessitados, mas um favor imerecido que Deus faz à nós. A graça ama e se regozija em dar, em oferecer. Ralph Martin diz que a graça da contribuição é a atividade inspirada pela graça de Deus que nos leva a dar.

Os macedônios que conforme o texto se encontravam em profunda pobreza, expressão que no original significa “miséria absoluta”, situação esta decorrente de sua fé cristã, pois talvez tenham perdido empregos ou sido excluído das associações comerciais por recusarem a ter qualquer envolvimento com a idolatria, mesmo diante desta terrível situação, não deixaram de contribuir. Pelo contrário: deram com toda alegria e generosidade! Nenhum computador é capaz de analisar essa fórmula extraordinária: grande aflição e pobreza profunda + graça= alegria e generosidade abundantes! Que fé extraordinária! Eles tinham vida dentro deles. A palavra ge-ne-ro-si-da-de, vem de “gene, genético, gênesis”: vida abundante. É exatamente por isso que o sábio disse: A alma generosa engordará (Pv 11.25).

2) Quando a contribuição transcende as expectativas (II Co 8.3-5)

Paulo para encorajar os crentes de Corinto a crescer na graça da contribuição, mostra dois exemplos de uma contribuição transcendente:
o exemplo dos macedônios em sua oferta sacrificial (8.3-5), e o exemplo de Cristo, fazendo-se pobre para nos fazer ricos (8.9). Neste sentido, o exemplo de contribuição dos macedônios foi transcendente em três aspectos:

Em primeiro lugar, na disposição voluntária de dar além do esperado. “Porque eles, testemunho eu, na medida das suas posses e mesmo acima delas, se mostraram voluntários” (8.3) Os macedônios não deram apenas proporcionalmente, mas deram acima de suas posses. Eles fizeram uma oferta sacrificial. Eles ofertaram num contexto de tribulação e pobreza. Geralmente os que mais contribuem não são os que mais têm, mas os que mais amam e os que mais confiam no Senhor.

Em segundo lugar, na disposição de dar mesmo quando não é solicitado. “Pedindo-nos, com muitos rogos, a graça de participarem da assistência aos santos” (8.4) Paulo usa, nesse versículo três palavras magníficas: charis (graça), koinonia (participarem) e diakonia (assistência). A contribuição financeira era entendida como um ministério cristão. Digno de nota, é que os macedônios não contribuíram em resposta aos apelos humanos, mas como resultado da graça de Deus concedida a eles. Não foi iniciativa de Paulo pedir dinheiro aos macedônios para os pobres da Judéia, foi iniciativa dos macedônios oferecerem dinheiro a Paulo para assistir os santos da Judéia. Os cristãos macedônios entenderam as palavras de Jesus: “Mais bem aventurado é dar que receber” (At 20.35)

O erudito Doutor Warren Wiersbe está correto quando diz que a graça nos liberta não apenas do pecado, mas também de nós mesmos. A graça de Deus abre nosso coração e nossa mão.

Em terceiro lugar, na disposição de dar a própria vida e não apenas dinheiro. “E não somente fizeram como nós esperávamos, mas também deram a si mesmos, primeiro ao Senhor, depois a nós, pela vontade de Deus” (8.5). Os macedônios não deram apenas uma prova de sua generosidade e comunhão, deram a eles próprios. Amamos o texto de Jo 3.16 [...] de tal maneira que deu o seu Filho [...], mas não praticamos o texto de I Jo 3.16 [...] e devemos dar a nossa vida por nossos irmãos. Não. Isto é forte demais. A verdadeira generosidade só existe quando há entrega do próprio eu. Precisamos não apenas investir dinheiro, mas também vida. Quando perguntaram para Charles Studd, que deixara as glórias do mundo esportivo da Inglaterra [ele foi o maior jogador de críquete do país] para ser missionário na China, se não estava fazendo um sacrifício grande demais, ele respondeu: “Se Jesus Cristo é Deus e ele deu sua vida por mim, não há sacrifício tão grande que eu possa fazer por amor a Ele”. Oh Deus, dá-nos esta fé triunfante!

3) Quando contribuímos seguindo o exemplo de Cristo, e não por pressões humanas – (II Co 8.8,9)

Infelizmente muitas igrejas têm se transformado num mercado, o púlpito num balcão, o evangelho num produto e os crentes em consumidores. Já há quem diga: “pequenas igrejas, grandes negócios”. Muitas igrejas evangelizam para ganhar dinheiro, em vez de usarem o dinheiro para evangelizar. Conta-se um fato ocorrido com Tomás de Aquino, no séc XIII. Ao visitar o papa Inocêncio 3º, foi recebido em uma suntuosa sala. O papa ocupado em contar grande soma de dinheiro, disse sorrindo: "Olha Tomás, a Igreja não precisa mais dizer não temos prata nem ouro"! Respondeu-lhe imediatamente, o ilustre visitante: "É verdade, mas nunca mais poderemos dizer: "Em nome de Jesus, o Nazareno, levanta e anda"!. O papa referia-se a riqueza da igreja como uma grande vitória. Tomás de Aquino, por sua vez, referia-se ao grande declínio espiritual da Igreja.

A igreja não pode imitar o mundo. Este enriquece tirando dos outros; o cristão enriquece dando aos outros.

Nestes versos Paulo nos ensina duas preciosas lições acerca da contribuição cristã:

Em primeiro lugar, a contribuição deve ser motivada pelo amor ao próximo.

Paulo diz que devemos contribuir não por constrangimento, mas espontaneamente; não com tristeza, mas com alegria, porque Deus ama a quem dá com alegria (II Co 9.7). Agora Paulo diz: “Não vos falo na forma de mandamento [...]” (8.8 a). A motivação da generosidade da contribuição é o amor. Paulo prossegue: [...] mas, para provar, pela diligência dos outros, a sinceridade do vosso amor (8.8 b). Sem amor, até mesmo nossas doações mais expressivas são pura hipocrisia. Foi por isso que Paulo disse que nós podemos dar todos os nossos bens aos pobres, mas se isso não é feito [motivado] pelo amor, não terá nenhum valor (I Co 13.1).

Em segundo lugar, a contribuição é resultado do exemplo de Cristo.

“Pois conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, se fez pobre por amor de vós, para que, pela sua pobreza, vos tornastes ticos” (8.9). Cristo foi o maior exemplo de generosidade. Damos dinheiro? Cristo deu sua vida! Damos bens materiais? Ele nos deu a vida eterna. Cristo esvaziou-se, deixando as glórias do céu para se fazer carne e habitar entre nós. Ele nasceu numa cidade pobre, numa família pobre e viveu como um homem pobre, que muitas vezes não tinha onde reclinar a cabeça. Ele nasceu numa manjedoura, cresceu numa carpintaria e morreu numa cruz. Ele é o maior exemplo de generosidade. Se Ele nos deu tudo por nós, devemos fazer de igual modo, oferecendo nossas vidas e nossos bens numa expressão de altruísmo e abnegação. Que seja assim. Amém!

Bibliografia:
Wiersbe, Warren. Comentário Expositivo. N.T. Geográfica Editora
Lopes, Hernandes Dias. II Coríntios. Ed. Hagnos 2008

Matéria gentilmente cedida, pelo amado pr. Marcello de Oliveira, que inspirado por Deus, nos concede a leitura de textos, que aumentam o nosso conhecimento cultural espiritual. E, pode ser encontrado no seu blog: http://davarelohim.blogspot.com

O Senhor te abençoe, homem de Deus,

pr. Newton Carpintero.

5 comentários:

Matias Borba disse...

Caro Pastor Newton,
Graça e Paz!

Mias um excelente texto do Pr. Marcleo Oliveira.

Essa questão de ofertarmos hoje ficou complicada, não que não entendamos o porque devemos fazer isto, mas pelo fato de como falou o autor do texto, de que muitas igrejas perderam o foco das ofertas e agora tem de fato o "ouro" e podem dizer que o que tem para dar são as riquezas, porém não podem mais dizerem aos que necessitam "não tenho ouro nem preta, mas o que tenho te dou, Jesus Cristo, levanta-te a anda".

Muitas vezes nos perguntamos porque em alguns momentos as igrejas não crescem nem desenvolvem-se, mas a pergunta ideal seria em como estamos aplicando as ofertas entregues? (falo de prioridades).

Que possamos apernder com este texto e com Cristo que se deu por oferta pos nós, para que possamos saber qual grande é o significado em ofertar ao Senhor!

Deus abençoe!

Tânia Regina disse...

A Paz Pr. Newton Carpintero!

Estou indicando seu blog pelo excelente conteúdo ao recebimento de um selo sério que recebi em meu blog, se for de seu interesse pode conferir no link abaixo.

http://taniacorreafernandes.blogspot.com

Fique com Jesus

Newton Carpintero, pr. disse...

Prezamada irmã Tânia Regina,

A Paz do Senhor!

Agradeço a sua indicação, mas, não aceito ser premiado, e assim, possuir um selinho em meu blog.

Boa a intenção, mais acredito que fugirá ao principal motivo, deste blog, bem como, não concordo com estas premiações que são distribuídas, aos montes e de montão, sem nenhum critério. E, mesmo que houvesse qualquer critério, seria ilógico, um blog apologético, estar ocupado por vãrios selinhos.

Não é este o prêmio que devo ganhar, e ganhar por quê? Qual valor terá? Será que existe especial motivo para ser premiado com um Selo?

Este Selo influirá na minha inspiração com Deus?

Este Selo motivará a manutenção deste meu blog?

Escrevo assim, para mandar uma mensagem direta, sobre o que penso de selinhos nos blogs.

Não concordo, pela falta de critérios, e por se tornar no futuro, uma fonte adversa aos propósitos de um blog apologético.

O Senhor seja contigo! Você já é premiada, pelo seu entusiasmo em promover verdades.

pr. Newton

Anônimo disse...

Nossa irmão, se não aceita o selo basta dar sua justificativa e não agir com tanta groseeiria.

Concordo com sua opin~ião de que estes selos não fazem de nos melhores, mas o selo a qual a irmã o indicou é um selo de um blog serio e compromissado com Deus. Se não aceita não precisa agir desta forma.

Respeito sua posição, mas pense se é assim que o Senhor Jesus agiria com as pessoas. Conheço o irmã Tânia Regina e a intenção dela é das melhores, só de homenageá-lo.

Deus te abençoe por isso!

Newton Carpintero, pr. disse...

Caro Anônimo,

Entendo o seu comentário, e não tomei nenhuma atitude grosseira, apenas, fui APOLOGÉTICO, como é o nosso direito.

Por quê? Posso ser Apologético com o que ocorre com as igrejas, e quando evidencio o que penso, sobre estes Selos de Premiação, sou criticado?

Após conhecer, a nossa irmã Tânia Regina, passei a respeitá-la pelo seu empenho, presteza, dedicação e carinho. Pois, me emocionou a sua matéria, e creio, que será motivo de muitas decisões, ao serviço extremamente difícil, ou seja, ser missionário na Índia, o que não é desejado pela igreja, que somente quer conviver com os seus eventos musicais.

Agradeço por respeitar a minha posição, mas, não concordo em me chamar de grosseiro, pois, informei a nossa amada irmã, que estava aproveitando o seu espaço para esta mensagem. Portanto, entendi a sua intenção, que me alegrou bastante.

Por favor, o meu nome e sobrenome sempre, estará evidente e à mostra. Se eu fosse escrever, ou declarar qualquer assunto sem o meu nome, poderia agredir violentamente a qualquer um, e estaria escondido como um simples Anônimo.

Sempre estarei presente com o meu nome à disposição. Não preciso andar às escondidas.

Deus te abençoe! Você possue valor com este comentário.

pr. Newton